1. HOME
  2. »
  3. Finanças
  4. »
  5. Você sabe como funciona a previdência privada?

Você sabe como funciona a previdência privada?

Muitas pessoas enxergam planos de previdência privada como investimentos confusos, apostas incertas para um futuro distante. No entanto, a previdência privada nada mais é do que uma forma mais autônoma de garantir uma renda futura destinada à aposentadoria. Neste post vamos mostrar por que esses planos são uma forma bem estruturada de planejamento financeiro.

Bons planos privados significam menos impostos para os contribuintes. 

Ao contratar um plano de previdência privada, o cliente obtém também uma boa chance de enriquecer no longo prazo. Afinal, o sistema de previdência pública no Brasil pode ser bem complexo — e caro.

A acumulação na previdência pública funciona de um modo em que a poupança produzida por cada trabalhador pertence ao sistema de captação, e não ao indivíduo. Caso os recursos direcionados ao INSS sejam revertidos para um plano privado, a tendência é que o dinheiro se multiplique de forma mais eficaz.

Os planos privados de previdência surgem, então, como uma boa alternativa. Continue a leitura deste artigo e conheça algumas características da previdência privada.

O que é a previdência privada?

Basicamente, um plano privado de previdência é uma aposentadoria que não está atrelada ao sistema do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Ela é complementar à previdência pública, mas o contratante pode escolher contribuir com o valor mínimo ao INSS e focar na opção privada.

O dinheiro aplicado no INSS não costuma ser o suficiente para garantir um bom padrão de vida na terceira idade. Não há idade mínima para se juntar à previdência privada, nem a necessidade de comprovação de determinada renda. Pais zelosos podem iniciar uma contribuição privada para o bebê recém-nascido, por exemplo.

É melhor começar a aplicar cedo e apostar no longo prazo se a intenção é garantir uma aposentadoria mais luxuosa. Uma boa resolução é começar a poupar 10% do salário já no começo da carreira profissional.

O que muda em relação à Previdência Social?

Na previdência privada, o contribuinte pode escolher o valor e a frequência da contribuição. O valor recebido, portanto, será proporcional ao que foi aplicado. Ao contrário do plano de previdência pública, o valor investido pode ser resgatado caso o cliente desista do plano privado.

No entanto, tal como na previdência social, é importante prestar atenção na forma de cobrança de impostos. O contribuinte pode optar por duas formas de tributação:

  • tabela regressiva, mais propícia para o resgate do dinheiro de uma vez;
  • tabela progressiva, mais indicada para quem quiser resgatar o valor investido em forma de parcelas mensais.

Quais são os riscos de investir na previdência privada?

Assim que o plano é contratado, o cliente pode escolher livremente onde prefere que seu dinheiro seja aplicado. Várias opções estão disponíveis, como a renda fixa, os fundos de ações e os fundos multimercado. Tais investimentos são opções de renda variável.

Algo que pode complicar o cliente é que aplicações de renda variável exigem mais conhecimento e paciência pois podem apresentar oscilações maiores em um período de tempo. São aplicações com um risco mais elevado porém são as que tendem a trazer maiores retornos quando se observa o longo prazo.

É importante lembrar que as aplicações podem durar várias décadas, o que demanda um cuidado maior. Do mesmo modo, aplicações audaciosas também podem proporcionar rendimentos bem lucrativos para o contribuinte.

Especialistas concordam que, em investimentos de longo prazo, as oscilações decorrentes de renda variável vão se anulando ao longo do tempo e tendem a garantir um resultado positivo no final das contribuições.

A previdência privada ainda é um bom investimento?

A principal vantagem é a flexibilidade que um plano privado proporciona. Caso o cliente encontre uma proposta melhor em outra seguradora, pode migrar sem grandes problemas — e o melhor: mantendo tudo o que foi investido até o momento sem pagar imposto de renda nessa migração. Essa migração é conhecida como portabilidade.

Outra distinção significativa é a facilidade de transmissão de patrimônio. Em caso de morte do titular, o valor reunido é liberado de forma bem mais rápida aos beneficiários e sem a incidência de imposto sobre transmissão de herança (ITCMD). Outra grande vantagem é que o beneficiário não precisará arcar com honorários, que podem chegar a 25% do valor do patrimônio, que são cobrados em processos de inventário.

O risco do cliente é apenas o risco de gestão da carteira do fundo. Todas as instituições que oferecem planos privados são monitoradas com pulso firme por uma agência reguladora do setor, a Superintendência de Seguros Privados (Susep).

O que são PGBL E VGBL?

Ambos são tipos de planos de previdência privada. O Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL) é mais indicado para pessoas que desfrutam de uma renda mais elevada, já que o valor entregue ao Imposto de Renda pode ser abatido — desde que seja de até 12% da renda anual do cliente.

É importante saber, no entanto, que quando o dinheiro finalmente é sacado, o imposto de renda é cobrado sobre o montante total de acordo com a tabela da receita federal, se progressiva ou regressiva. Já o Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL) não pode ser abatido do Imposto de Renda. A diferença é que o imposto, diferentemente do PGBL, é cobrado sobre o rendimento e não sobre o montante total.

O PGBL é uma opção melhor para os clientes que declaram o Imposto de Renda no modelo completo. Já o VGBL é propício para os contribuintes que não pagam Imposto de Renda ou que fazem a declaração no modelo simplificado.

Devido às suas inúmeras características, um plano de previdência privada depende muito da negociação feita no momento de sua aquisição. Portanto, é preciso ser cuidadoso para colher os frutos do investimento. Conte sempre com o auxilio de um especialista em investimentos para ajudá-lo na escolha do plano. O site da Susep é uma boa fonte de pesquisa.

Analise minuciosamente o plano antes de finalmente assiná-lo, certificando-se de verificar se há penalidades para resgates antes da data prevista. Depois da leitura, já sabemos que a migração é tranquila, mas não se esqueça de checar as peculiaridades do contrato — e busque sempre as melhores taxas!

Essas dicas foram úteis? Quer saber mais sobre os planos de previdência privada e sobre boas estratégias de investimento em geral? Então entre contato conosco e tire suas dúvidas! Nosso objetivo é te ajudar a investir melhor seu dinheiro.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

quer saber mais sobre investimentos?