1. HOME
  2. »
  3. Investimentos
  4. »
  5. Para que serve a previdência privada?

Para que serve a previdência privada?

renda-fixa

A previdência privada é um dos investimentos mais realizados para guardar recursos para aposentadoria, permitindo um futuro mais tranquilo, sem depender de outros meios, como a previdência social, ou sendo um complemento a ela. 

Entretanto, engana-se quem pensa que a previdência privada é somente para se aposentar, ela também pode garantir a tranquilidade da sua família no futuro, os estudos dos seus filhos, entre outras possibilidades que esse investimento oferece.

Quer saber mais sobre esse investimento, suas vantagens e como escolher a mais adequada para você? Então, confira neste post! 

O que é previdência privada e para que serve?

A previdência privada é um investimento utilizado para completar a renda da aposentadoria pela previdência social, como a do INSS ou dos fundos de pensão de empresas, por exemplo. 

Os bancos e outras instituições financeiras oferecem a previdência como um plano complementar de renda que poderá ser resgatado no futuro, no prazo estipulado conforme o contrato. Em geral, o tempo de contribuição é de 10, 20 e até 30 anos.

Ao fazer uma previdência privada, é possível fazer contribuições mensais, com quantias definidas e que rendem pelo período determinado na contratação. Além dos pagamentos mensais, o investidor ainda consegue ter a opção de fazer o investimento de uma única vez ou até contribuições adicionais, sempre que quiser.

Na previdência privada, quanto mais você investe e mais tempo seu dinheiro fica investido, maior será a sua rentabilidade. 

Quais as vantagens de se ter uma previdência privada?

Ter uma previdência privada oferece muitos benefícios, como:

Ausência de idade mínima: para começar a investir em uma previdência privada ou fazer o seu resgate, ao contrário da previdência social, não há idade mínima definida. 

Assim, é possível investir em uma previdência privada a qualquer momento.

Dessa forma, além de ser um investimento escolhido para complementar a aposentadoria, a previdência também é a escolha de muitos pais que querem garantir um futuro mais tranquilo para os seus filhos, que podem resgatar os valores no futuro, utilizando para pagar seus estudos e faculdade, por exemplo. 

Afinal, quanto maior o tempo de contribuição, maior será a rentabilidade da previdência. 

Facilidade na contratação: a previdência privada não possui burocracia que dificulta a contratação. E os bancos e financeiras oferecem planos de acordo com o perfil e objetivos do cliente. 

Além disso, algumas instituições permitem que todo o processo seja realizado pela internet, facilitando ainda mais a contratação do plano de previdência privada.

Flexibilidade de resgate e aportes: o aporte inicial é obrigatório na previdência privada, porém, é possível escolher um valor mínimo para investir, que geralmente varia entre R$ 100 até a R$ 100 mil, conforme o plano e instituição.

Outra possibilidade é o valor da contribuição mensal, que pode variar. Ou seja, se em um mês você aplica R$200, mas no próximo mês, se quiser fazer um aporte maior ou menor também é possível. 

Além da flexibilidade dos aportes, há também a de resgate. Diferente da previdência comum, que somente é possível receber os valores após o tempo estipulado na lei ou por invalidez, na previdência privada é você que decide a melhor hora para resgatar seu dinheiro.

As formas de resgate são:

  • Saque do valor total: escolha ideal para comprar um bem mais caro.
  • Renda mensal temporária: opção para receber rendimentos por tempo determinado. 
  • Renda mensal a longo prazo: a mais indicada para o investidor que quer receber os valores investidos como se fosse uma aposentadoria. Ou seja, a longo prazo. Com opção de receber até a morte do beneficiário. 

Portabilidade: outra grande vantagem é trocar de estratégia  ou instituição, quando quiser ou não gostar dos resultados, sem pagar nenhum custo adicional. 

Sucessão patrimonial: Outra vantagem é que a previdência social pode ser utilizada em um planejamento de sucessão patrimonial. Caso ocorra o falecimento do proprietário do plano, os herdeiros podem ter acesso ao recurso imediatamente, sem a necessidade de aguardar o inventário.  

Melhora na disciplina financeira: uma das grandes dificuldades da maioria das pessoas é não conseguir guardar dinheiro. Contudo, fazendo um plano de previdência privada, com aportes mensais, o investidor acaba fazendo uma poupança forçada. 

Além das contribuições mensais serem flexíveis, o investidor pode até escolher débito automático, assim não precisa se preocupar em realizar as aplicações manualmente. 

Como escolher a melhor previdência privada?

Para escolher a melhor opção de previdência para você, considere os seguintes pontos:

1. Escolha o plano conforme o seu perfil

Para escolher o melhor plano de previdência para você, considere o seu perfil, objetivos. Analise as modalidades, taxas e  regime de tributação das opções oferecidas no mercado.

2. Escolha entre PGBL e VGBL

O VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre) é um plano ideal para pessoas que realizam declaração simplificada de Imposto de Renda. Nesse plano, a cobrança do IR é sobre os rendimentos. 

O PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre) é mais adequado para pessoas que realizam declaração completa. Nesse plano, a dedução anual do imposto pode ser de 12% da renda anual. Porém, a cobrança do IR é feita sobre o valor total do plano de previdência.

Resumindo qual é o plano ideal:

PGBL – pra quem faz declaração completa de IR;

VGBL – Para quem faz declaração simplificada de IR.

3. Escolha um regime de tributação

O imposto de renda (IR) incide sobre esse investimento na hora do recebimento da renda ou do resgate. Nesse caso, é possível optar por tributação regressiva ou progressiva. 

Na tributação regressiva é ideal para planos a longo prazo, ou seja, 10 anos ou mais. Nesse caso, o IR pode chegar até 10%.

Na tributação progressiva é ideal para quem não tem um planejamento ou precisa utilizar o dinheiro mais rápido, Nesse caso, o IR na fonte é de 15% na primeira etapa, podendo ficar entre 0% a 27,5% na segunda etapa, conforme a declaração anual.  

4. Avalie as taxas de carregamento e administração

Avalie as taxas de administração e carregamento dos planos. A taxa de carregamento é cobrada para cobrir as despesas com colocação,  corretagem e administração do plano. 

Existem 3 tipos de taxas de carregamento:

  • Antecipada: cobrada no aporte;
  • Híbrida: cobrada nos aportes, resgates e portabilidade;
  • Postecipada: cobrada nos resgates ou portabilidade.

Atualmente são poucas instituições que continuam cobrando essa taxa. A grande maioria dá isenção da taxa de carregamento porém é importante ficar atento.

5. Defina a estratégia de investimentos 

O que muita gente não sabe é que é possível investir nas mais variadas estratégias de investimentos dentro de um plano de previdência. 

O que acontece é que dentro de um plano você tem fundos de investimentos, e esses fundos de investimentos podem ter estratégias em: 

  • Renda variável (bolsa de valores); 
  • Multimercados; 
  • Estratégias no mercado internacional; 
  • renda fixa. 

Quanto rende uma previdência privada atualmente?

previdência privada

O rendimento da previdência privada pode variar de acordo com a estratégia definida. 

 

Os melhores fundos de PGBL/VGBL tiveram rentabilidade média de 24,4%, representando 409,6% do CDI, os piores tiveram 4,4%, ou 73,6%, segundo dados de 2019 divulgados pela Prevue/Guruprev.

 

Dessa forma, é preciso analisar bem as opções oferecidas no mercado antes de escolher um plano de previdência. 

 

É muito importante analisar recorrentemente as estratégias de investimentos dos planos de previdência. Muita gente acredita que basta escolher uma estratégia e aguardar.

 

A economia é cíclica, e de tempos em tempos é necessário avaliar a estratégia.

Quem devo procurar para tirar minhas dúvidas com relação a taxa e a escolha da instituição?

A assessoria de investimentos é indicada para orientar e tirar suas dúvidas sobre a previdência privada, taxa e escolha da instituição para investir.

 

Somente um especialista em investimentos pode analisar o objetivo do cliente e, consequentemente, definir as melhores estratégias e opções de previdência do mercado para cada perfil de 

investidor.

A previdência pode vir no lugar da aposentadoria?

A previdência privada contribui para uma vida e aposentadoria mais tranquilas, porém, não substitui a contribuição ao INSS.

 

O investimento na previdência é muito utilizado como uma forma de  complementar a renda, permitindo manter o padrão de vida após a aposentadoria. 

Conclusão

Investir na previdência privada é uma boa opção para alguns casos e plano contratado. Para evitar transtornos, o recomendado é contar com um especialista para analisar e ajudar na escolha do melhor plano de previdência conforme o seus objetivos e perfil. 

 

Quer saber como aplicar o seu dinheiro com a ajuda de profissionais do mercado? Então não deixe de falar com os especialistas da Atrio para não perder nenhuma oportunidade!

 

Gostou de saber para que serve a previdência privada? Então, se quiser ficar por dentro de conteúdos e novidades sobre investimentos e mercado financeiro, acompanhe sempre o blog da Atrio!

 

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

quer saber mais sobre investimentos?