1. HOME
  2. »
  3. Investimentos
  4. »
  5. Carteira recomendada: o que é e quando contar com uma?

Carteira recomendada: o que é e quando contar com uma?

Escolher entre os diferentes investimentos do mercado financeiro nem sempre é fácil. Ao investir na bolsa de valores, por exemplo, é preciso fazer análises complexas para tomar decisões mais alinhadas às suas necessidades. Porém, você pode simplificar esse processo com uma carteira recomendada.

Essa é uma ferramenta que pode ajudá-lo a compor parte do portfólio de maneira diversificada e com suporte de analistas profissionais. Por isso, vale a pena conhecer as alternativas de carteiras disponíveis e saber como elas funcionam.

Quer entender o que são as carteiras recomendadas e o que elas podem oferecer para sua estratégia de investimento? Continue a leitura e descubra!

O que é uma carteira recomendada e como funciona?

Uma carteira recomendada consiste em um portfólio composto por diferentes ativos e estabelecido por analistas financeiros. Logo, esses profissionais buscam estudar o mercado e encontrar as oportunidades que identificam ser mais interessantes para determinado objetivo.

As recomendações costumam ser apresentadas junto a um relatório de estudo. Assim, você consegue identificar os motivos que levaram os analistas a selecionarem os ativos da carteira, considerando a conjuntura do mercado.

Além disso, o portfólio de uma carteira recomendada é atualizado periodicamente. A frequência depende da estratégia adotada pelos analistas. Existem, por exemplo, carteiras recomendadas semanais — que incluem ou retiram ativos uma vez por semana.

Já uma carteira que seja mensal faz as mudanças a cada mês, e assim por diante. Nesse sentido, é importante acompanhar essas alterações e realizá-las em seu próprio portfólio, para que o seu resultado seja equivalente ao da carteira apresentada pelos analistas.

Quais são os tipos de carteiras recomendadas?

Além de entender o funcionamento geral da carteira recomendada, saiba que ela pode envolver diferentes ativos. A classificação do tipo de carteira, portanto, varia de acordo com os ativos ou estratégias que guiam o portfólio.

A seguir, conheça alguns dos principais tipos de carteiras recomendadas disponíveis!

Ações

A carteira recomendada de ações é um dos principais tipos existentes. Como o nome sinaliza, esse é um portfólio composto por ações. Os analistas selecionam os papéis considerados interessantes, com base na avaliação de determinados critérios.

Um exemplo é a carteira Atrio Absolute. Ela é formada por ações selecionadas tanto com base na análise fundamentalista quanto na análise técnica. Assim, você pode investir em boas empresas e aproveitar movimentos de curto prazo que podem favorecer seus resultados.

Small caps

A carteira recomendada de small caps também é de ações, mas tem a particularidade de focar em empresas de menor capitalização. Elas são empresas de menor porte, que não estão consolidadas e, por isso, podem ter maior potencial de crescimento do que as líderes de mercado.

O investimento em small caps é uma estratégia que pode ser mais arriscada. Afinal, as companhias não consolidadas podem ter maior vulnerabilidade em crises. Por outro lado, é possível alcançar um rendimento acima da média, caso ocorra a valorização do negócio ao longo do tempo.

Fundos imobiliários

Dentro da bolsa de valores, os fundos de investimento imobiliário (FIIs) também podem oferecer boas oportunidades. Se você tiver interesse em aproveitar um portfólio completo desses veículos financeiros, é possível encontrar carteiras recomendadas de FIIs.

Uma carteira de FIIs pode ser formada por fundos imobiliários de tijolo, de papel ou de fundos. Com isso, se torna possível participar dos resultados do aluguel de propriedades imobiliárias ou se expor a títulos relacionados ao setor de imóveis, por exemplo.

Dividendos

Outra possibilidade que costuma estar disponível no mercado é a carteira de dividendos. Ela é formada por ações ou FIIs que se destacam por serem bons pagadores desses proventos. Logo, o portfólio busca equilibrar os ativos que podem apresentar os melhores resultados nesse sentido.

Como o dividendo corresponde a uma parte do lucro líquido da empresa ou fundo que é dividida entre os investidores, ele é uma forma de obter retorno ao longo do tempo. Assim, muitos investidores buscam oportunidades para formar uma renda passiva com esse tipo de proventos — o que pode ser alcançado via carteira recomendada.

ESG

A metodologia ESG é a sigla para meio ambiente, social e governança corporativa. Portanto, ela contempla a sustentabilidade empresarial — que é cada vez mais discutida mundialmente e pode ajudar a valorizar os investimentos ao longo do tempo.

Assim, uma carteira recomendada ESG tem o intuito de selecionar investimentos sustentáveis. É o que acontece com ações de empresas que façam parte de indicadores de sustentabilidade ou que se destacam nesse tipo de atuação, por exemplo.

Quais são as vantagens de contar com uma carteira recomendada?

Independentemente do tipo escolhido, existem diferentes vantagens associadas a recorrer a uma carteira recomendada. Uma delas é a praticidade, já que você não precisa avaliar os investimentos por conta própria ou acompanhar as movimentações do mercado para rebalancear o portfólio.

Logo, é possível economizar tempo ao investir, sem deixar de aproveitar oportunidades que podem apresentar bom potencial de avanço no mercado. Além disso, você conta com sugestões de profissionais certificados e experientes no mercado financeiro.

Outro aspecto positivo da carteira recomendada está no fato de que você pode aprender mais sobre o mercado ao conferir os relatórios vinculados às carteiras.

Desse modo, fica mais fácil entender como os movimentos do mercado influenciam as oportunidades na renda variável, por exemplo. Também é viável usar esses conhecimentos em suas futuras decisões.

Ademais, seguir recomendações de investimentos pode ser uma forma de obter mais diversificação. Afinal, com a carteira recomendada você tem uma configuração completa, diversificada e equilibrada, o que pode ajudar a diminuir os riscos e a melhorar os resultados do seu portfólio.

No caso da Atrio Absolute, por exemplo, você ainda conta com mais praticidade: a execução de ordens por meio dos nossos robôs. Mediante sua autorização, as alterações no portfólio podem ser feitas de maneira mais simples, acompanhando as novas versões da carteira recomendada automaticamente.

Quando vale a pena recorrer a esse portfólio?

Até aqui, você viu como funcionam os diferentes tipos de carteira recomendada e por que esse portfólio pode ser vantajoso. Agora, vale saber quando vale a pena buscar essa alternativa.

Para começar, é necessário identificar seu perfil de investidor para compreender sua tolerância ao risco. Como a maioria das carteiras recomendadas é de renda variável, você precisa ser capaz de assumir os riscos correspondentes a essa classe de investimento.

Também vale pensar em seus objetivos financeiros. Mesmo que as atualizações ocorram com maior frequência, a tendência é que os portfólios recomendados estejam alinhados com o longo prazo. Portanto, seus objetivos devem estar voltados para esse horizonte de tempo.

Não deixe de considerar, ainda, a sua estratégia. Afinal, é preciso escolher uma carteira recomendada que possa oferecer o que você busca — seja dividendos, potencial de valorização, mais segurança etc.

Como você aprendeu, a carteira recomendada é um portfólio montado por analistas que pode ajudá-lo em sua trajetória enquanto investidor. Para tanto, é preciso escolher uma carteira de acordo com o seu perfil e com os seus objetivos, explorando os benefícios que ela pode oferecer.

Gostou de conhecer essa alternativa? Se quiser acessar a carteira Atrio Absolute e ter apoio para conhecer o mercado financeiro de modo completo, fale conosco da Atrio Investimentos!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

quer saber mais sobre investimentos?