1. HOME
  2. »
  3. Investimentos
  4. »
  5. Debêntures: o que são, como funcionam e quais os principais tipos?

Debêntures: o que são, como funcionam e quais os principais tipos?

A renda fixa oferece diversas aplicações financeiras, mas nem todas elas são amplamente conhecidas. Por exemplo, você sabe o que são as debêntures? Elas representam oportunidades e podem ser classificadas em diferentes tipos de acordo com seu funcionamento.

Desse modo, você pode escolher o título que estiver mais alinhado com a sua estratégia no mercado financeiro. Antes disso, entretanto, é essencial conhecer as principais características das debêntures — como os riscos atrelados a essas aplicações.

Está pronto para saber o que são as debêntures e como elas podem integrar sua carteira de investimentos? Confira!

O que são debêntures e como funcionam?

As debêntures são títulos de renda fixa que fazem parte do crédito privado. Essa é uma classificação que contempla os títulos emitidos por empresas não financeiras. Assim, as aplicações são emitidas por companhias públicas e privadas que desejam obter recursos junto a investidores.

Em troca, as empresas oferecem uma rentabilidade para o investidor. A emissão de debêntures envolve o conselho administrativo da empresa, que define as principais condições de captação. No caso de ofertas públicas, ocorre o registro na Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Quais são as características desses investimentos?

Além de conhecer o conceito geral de debêntures, é importante saber quais são as características específicas de funcionamento delas. Por isso, veja a seguir os pontos mais relevantes sobre esse tipo de investimento!

Rentabilidade

As possibilidades de rendimento das debêntures são as mesmas da renda fixa em geral. Logo, elas podem ser de três tipos:

  • debêntures prefixadas: rendem de acordo com uma taxa fixa, definida antes mesmo do investimento;
  • debêntures pós-fixadas: têm retorno que acompanha a performance de um índice de mercado, como o Certificado de Depósito Interbancário (CDI);
  • debêntures híbridas: têm parte do rendimento formada por uma taxa fixa e parte pelo desempenho de um indicador, como o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

Em geral, as condições definidas acompanham a relação de risco e retorno. Quanto maior for o risco oferecido por uma empresa, maior tende a ser o rendimento.

Segurança

Em relação à segurança, as debêntures tendem a ser mais arriscadas que outros títulos da renda fixa. Isso ocorre porque elas não têm cobertura do Fundo Garantidor de Créditos (FGC). Contudo, algumas debêntures oferecem garantias — como bens da empresa, mediante alienação.

Em comparação a investimentos da renda variável, entretanto, as debêntures são menos arriscadas. Afinal, elas oferecem previsibilidade de ganhos, já que na renda fixa as condições de pagamento são definidas previamente.

Prazo

Quanto ao vencimento, a maioria das debêntures apresenta, no mínimo, 2 anos de prazo. Porém, também é possível encontrar títulos com vencimento em 5 anos ou mais. Logo, esse tende a ser um investimento de médio e longo prazo — o que deve ser considerado em sua estratégia de alocação.

Liquidez

A liquidez das debêntures costuma ser baixa. Por isso, normalmente não há como resgatá-las antecipadamente. No caso de querer se desfazer do investimento, será preciso negociá-lo no mercado secundário — o que pode gerar perdas.

Tributação

A maioria das debêntures é tributada pela tabela regressiva de Imposto de Renda. Isso significa que as alíquotas diminuem, até certo limite, conforme o tempo em que o dinheiro fica aplicado.

Veja as taxas:

  • até 180 dias: 22,5%;
  • de 181 a 360 dias: 20%;
  • de 361 a 720 dias: 17,5%;
  • acima de 721 dias: 15%.

A exceção fica para as debêntures incentivadas, que são investimentos isentos de Imposto de Renda.

Quais são os principais tipos de debêntures?

Embora o funcionamento geral das debêntures siga as regras que você agora conhece, elas podem apresentar especificidades de acordo com seus tipos.

A seguir, veja quais são os principais tipos existentes!

Comuns

As debêntures comuns são os títulos tradicionais, tributáveis pelo Imposto de Renda e que preveem o funcionamento conforme você já conhece.

Incentivadas

As debêntures incentivadas são isentas de Imposto de Renda por envolverem setores importantes para a economia brasileira, como o de infraestrutura.

Conversíveis

As debêntures conversíveis são chamadas assim porque podem ser convertidas em ações da empresa emissora — que deve ser uma companhia de capital aberto.

Simples

As debêntures simples se opõem às conversíveis. Portanto, são títulos cujo pagamento não pode ocorrer mediante a conversão em ações — ele se dá apenas em dinheiro.

Permutáveis

Nas debêntures permutáveis, o pagamento também pode ser feito em ações. Porém, os papéis podem ser de uma empresa que não é a emissora do título de dívida.

Perpétuas

A particularidade das debêntures perpétuas é o prazo, que não é definido com exatidão. Nesse caso, o investidor recebe uma remuneração de maneira contínua, com base em condições definidas.

Participativas

Nas debêntures participativas, o pagamento do rendimento se baseia na participação dos lucros do negócio.

Quais são as vantagens e os riscos desses investimentos?

Após conhecer o que são as debêntures e quais as principais características e tipos disponíveis no mercado, vale entender suas vantagens. Um dos pontos positivos inclui a chance de aumentar a rentabilidade da sua carteira sem precisar deixar a renda fixa.

Ainda, há uma grande variedade de títulos desse tipo, atendendo a diferentes estratégias. Assim, é possível utilizar as debêntures para diversificar seu portfólio — seja ele mais conservador, moderado ou arrojado.

Já sobre os riscos, o principal nesses títulos é o risco de crédito. Ele envolve a possibilidade de o emissor não conseguir fazer o pagamento conforme o acordado. Uma forma de mitigar parte desse risco é buscar debêntures com garantias.

Também há o risco de liquidez, devido à dificuldade de realizar o resgate antecipado. Por fim, existe o risco de mercado. Afinal, mudanças nos juros ou na inflação pode afetar o rendimento dos títulos e até o funcionamento das empresas. Com isso, o risco de crédito pode se tornar maior ou menor.

Como investir em debêntures?

Para investir em debêntures — incentivadas ou não —, é preciso seguir alguns passos. O primeiro é avaliar seu perfil de investidor e seus objetivos. Assim, você tem a certeza de escolher um título que faça sentido para você.

Em seguida, você deve abrir conta em uma corretora de valores. Dessa forma, será possível acessar os títulos disponíveis na plataforma e realizar os investimentos, de acordo com seus interesses.

Se precisar de ajuda para conhecer as alternativas, vale contar com uma assessoria de investimentos. Com ela, você terá acesso às informações confiáveis de profissionais certificados e autorizados para atuar nessa função.

Agora você sabe o que são debêntures e como elas funcionam. A partir destas informações, fica mais fácil investir nesses títulos — se eles estiverem alinhados com a sua tolerância ao risco e com os seus objetivos!

Você tem dúvidas sobre esse e outros investimentos da renda fixa? Fale conosco da Atrio Investimentos e veja como nossos assessores podem ajudar!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

quer saber mais sobre investimentos?